Cultura Maker na Educação Infantil

Como trabalhar a Cultura Maker na Educação Infantil?

A Educação Infantil é o início de todo o processo educacional do aluno, sendo fundamental para que ele aconteça. Mas por que ela é tão importante assim?

É na infância que a criança constrói as bases para a vida toda. Nessa fase, ao brincar e interagir com outras crianças e adultos, ela descobre o mundo onde vive, cria e recria conceitos, socializa-se, experimenta e testa novas possibilidades. Como resultado, adquire conhecimento sobre si, o outro e o mundo. 

Por isso, é essencial que nessa fase ela realize atividades que não só as divirtam, mas que tenham o propósito de educar, de ensinar algo. Afinal, é brincando e interagindo com outras pessoas que a criança aprende e constrói o próprio repertório de conhecimento. 

Segundo a Base Nacional Comum Curricular (BNCC):

“A interação durante o brincar caracteriza o cotidiano da infância, trazendo consigo muitas aprendizagens e potenciais para o desenvolvimento integral das crianças. Ao observar as interações e a brincadeira entre as crianças e delas com os adultos, é possível identificar, por exemplo, a expressão dos afetos, a mediação das frustrações, a resolução de conflitos e a regulação das emoções.”

Esse desenvolvimento integral se refere ao desenvolvimento tanto emocional quanto ao racional. Este último diz respeito à capacidade analítica da criança e a seu pensamento científico. Isso pode ser feito, por exemplo, estimulando a curiosidade já característica da criança.

 

Promovendo o desenvolvimento integral da criança na Educação Infantil

Nessa fase escolar, é necessário que o processo de aprendizagem e desenvolvimento se dê a partir dos interesses, das curiosidades e do contexto da criança. Nós acreditamos que ela é capaz de aprender tudo. Mas para isso, é necessário entrar na sua realidade e olhar o mundo sob sua perspectiva. Somente assim será possível construir um discurso apropriado à sua idade e, com ele, apresentar o que queremos ensinar. 

É nesse contexto que entram, por exemplo, a contação de histórias e a brincadeira.

Para a BNCC, o brincar é um dos eixos estruturantes do processo de desenvolvimento da criança. Ele contribui para assegurar os 6 direitos de aprendizagem dela. 

Você sabe quais são eles? Então, confira abaixo:

  1. Conviver com outras crianças e adultos, em pequenos e grandes grupos, utilizando diferentes linguagens, ampliando o conhecimento de si e do outro, o respeito em relação à cultura e às diferenças entre as pessoas.
  2. Brincar cotidianamente de diversas formas, em diferentes espaços e tempos, com diferentes parceiros (crianças e adultos), ampliando e diversificando seu acesso a produções culturais, seus conhecimentos, sua imaginação, sua criatividade, suas experiências emocionais, corporais, sensoriais, expressivas, cognitivas, sociais e relacionais.
  3. Participar ativamente, com adultos e outras crianças, tanto do planejamento da gestão da escola e das atividades propostas pelo educador quanto da realização das atividades da vida cotidiana, tais como a escolha das brincadeiras, dos materiais e dos ambientes, desenvolvendo diferentes linguagens e elaborando conhecimentos, decidindo e se posicionando.
  4. Explorar movimentos, gestos, sons, formas, texturas, cores, palavras, emoções, transformações, relacionamentos, histórias, objetos, elementos da natureza, na escola e fora dela, ampliando seus saberes sobre a cultura, em suas diversas modalidades: as artes, a escrita, a ciência e a tecnologia.
  5. Expressar, como sujeito dialógico, criativo e sensível, suas necessidades, emoções, sentimentos, dúvidas, hipóteses, descobertas, opiniões, questionamentos, por meio de diferentes linguagens.
  6. Conhecer-se e construir sua identidade pessoal, social e cultural, constituindo uma imagem positiva de si e de seus grupos de pertencimento, nas diversas experiências de cuidados, interações, brincadeiras e linguagens vivenciadas na instituição escolar e em seu contexto familiar e comunitário.

Para que esses direitos sejam assegurados, é necessário que o currículo escolar da Educação Infantil seja compreendido como uma jornada contínua e criativa do aluno, considerando as curiosidades, interesses e o desenvolvimento integral da criança.

A esse respeito, a BNCC defende a necessidade da:

“organização e proposição, pelo educador, de experiências que permitam às crianças conhecer a si e ao outro e de conhecer e compreender as relações com a natureza, com a cultura e com a produção científica, que se traduzem nas práticas de cuidados pessoais (alimentar-se, vestir-se, higienizar-se), nas brincadeiras, nas experimentações com materiais variados, na aproximação com a literatura e no encontro com as pessoas.”

Assim sendo:

“Parte do trabalho do educador é refletir, selecionar, organizar, planejar, mediar e monitorar o conjunto das práticas e interações, garantindo a pluralidade de situações que promovam o desenvolvimento pleno das crianças.”

Pensando nisso, elaboramos uma proposta que promove esse desenvolvimento integral da criança por meio do brincar e do storytelling. A seguir, você encontra mais detalhes da nossa proposta para a Educação Infantil, em vigor a partir de janeiro de 2020.

Storytelling: a arte de contar histórias

O storytelling é de extrema importância no processo de aprendizagem e desenvolvimento do aluno durante a Educação Infantil. Os benefícios da contação de histórias são infinitos. Não é só pelo entretenimento. As histórias também divertem, mas vão além disso. Elas transmitem uma mensagem (ou aprendizado) de forma inesquecível, fortalecem o imaginário, despertam a consciência socioemocional da criança e podem até inspirá-la à ação. 

Além disso, a contação de história ajuda a criança a se conhecer, a se expressar, a conviver e a explorar o meio natural e social em que vivem, permitindo que ela construa sua identidade social e cultural, sua visão de mundo e seu caráter. Por isso, o storytelling, assim como o brincar, é tão importante para o processo de aprendizagem e desenvolvimento integral da criança.

No livro Cultura, Arte e Contação de Histórias, Edvânia Rodrigues ressalta que a contação de história incentiva a imaginação e transita entre o que é real e o que não é. Por mais que o enredo, o cenário e os personagens façam parte do imaginário, o sentimento e a emoção transcendem a história e se materializam na vida real. 

Afinal, quem nunca se emocionou com a história de um personagem que atire a primeira pedra, não é mesmo?

No caso da Coleção Engenhocas, as narrativas são o eixo condutor de todas as 12 vivências. Cada história envolve o aluno em um universo cheio de desafios, mistério, aventura e fantasia. 

Coleção Engenhocas: mão na massa e imaginação à solta em vivências pra lá de divertidas

Com a Coleção Engenhocas, dedicada a alunos de 3 a 5 anos da Educação Infantil, permitimos que a criança vivencie experiências lúdicas, sensoriais, cognitivas e emocionais que valorizam suas características individuais e estimulem a sua consciência socioemocional. 

Essa coleção foi elaborada com o objetivo de despertar na criança um olhar mais inovador e promover o desenvolvimento integral dela. Para isso, nossa Coleção Engenhocas propõe para a Educação Infantil 12 vivências que promovem, por meio do brincar e do storytelling, 3 eixos de aprendizagem: 

  1. a temática
  2. a maker
  3. a emocional 

Em conjunto, essas aprendizagens estimulam a criatividade e a curiosidade da criança, despertando nela um olhar mais inovador. Dessa forma, começamos a desenvolver nos alunos desde a Educação Infantil competências e habilidades necessárias para a convivência em sociedade. 

Empatia, colaboração, autonomia, letramento tecnológico, resolução criativa de problemas e a realização de projetos são algumas dessas competências e habilidades. 

Por acreditarmos que o processo de aprendizagem do aluno deve ser contínuo, elas são potencializadas quando a criança entra no Ensino Fundamental. Nesse momento, o aluno passa a participar das aulas do nosso Currículo de Cultura de Inovação. Tal currículo utiliza a Cultura Maker como ferramenta pedagógica para introduzir e desenvolver uma Cultura de Inovação nas escolas parceiras. 

Aprendizagem Temática 

Essa aprendizagem propõe o acesso e contato das crianças com questões contemporâneas importantes para sua inserção e seu convívio em sociedade. A partir do contexto da criança, trabalhamos com 12 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Formulados em 2015, eles buscam maneiras para assegurar os direitos humanos de todos. Isso inclui, por exemplo, a igualdade de gênero, o fim da pobreza e da fome, bem como a proteção do planeta contra sua degradação. Em conjunto, esses objetivos equilibram as 3 dimensões do desenvolvimento sustentável: econômica, social e ambiental. 

Acreditamos que apresentar à criança os desafios da sociedade é importante para o seu processo de desenvolvimento. Porém, é necessário simplificar esses temas tão complexos para que os alunos os entendam. E nós encontramos no storytelling uma maneira de fazer isso.

Na Educação Infantil, propomos que a criança entre em contato com esses temas por meio das histórias e das aventuras vividas pelos personagens Laila, Cris, Cauê e o pequeno Leão. Dessa forma, com um discurso adequado à idade, as crianças são incentivadas a refletir sobre como melhor interagir com o meio ambiente e com o mundo onde vivemos. 

Aprendizagem Maker

A Cultura Maker (ou Cultura Mão na Massa), que ganhou força nos últimos anos, parte do pressuposto de que todos somos capazes de criar, construir e realizar projetos incríveis quando colocamos a mão na massa. 

Aqui no Nave à Vela, a Cultura Mão na Massa é usada como ferramenta pedagógica. Portanto, o processo de aprendizagem do aluno se dá por meio de projetos. Nessa jornada, além do conteúdo dado em sala, eles aprendem a trabalhar em equipe e com tecnologias. É assim que desenvolvem habilidades e competências que estimulam nele um olhar mais inovador. 

Nós trabalhamos habilidades, como letramento tecnológico, resolução criativa de problemas e resolução de projetos. Além disso, potencializamos nos alunos as seguintes competências: autonomia, empatia e colaboração. 

Na Educação Infantil, desenvolvemos também uma aprendizagem mão na massa. Porém, a essência do “mão na massa” não está apenas na construção dos brinquedos. Na Coleção Engenhocas, essa essência está, sobretudo, na maneira de olhar e agir sobre o mundo. Por isso, as vivências são focadas no brincar e no interagir, priorizando a criatividade e a exploração. 

Aprendizagem Emocional

Para nós, é na infância e na interação com o outro que a criança descobre o mundo, a si e o outro. Nessa fase, ela se percebe como alguém singular, com características e gostos próprios. Além disso, compreende que o outro também possui sentimentos e características próprias. 

A convivência nesse momento se torna um desafio, pois é aí que surgem os conflitos de opiniões, gostos e preferências. Tal desafio pode ser muito útil para ensinar a criança a identificar e administrar o sente, sem ofender ou machucar o colega. 

Para ajudar o educador nesse processo, nós propomos vivências cujo propósito é também despertar e desenvolver a consciência emocional da criança. As histórias da Coleção Engenhocas apresentam sentimentos antagônicos que são derivações dos 6 direitos de aprendizagem da criança definidos pela Base Nacional Comum Curricular. 

Na Educação Infantil, trabalhamos, por exemplo, com solidariedade e egoísmo, que derivam do direito de conviver. Além disso, as emoções confiança e vergonha, que também serão abordadas, derivam do direito de aprender a se expressar. Tanto o conviver quanto o se expressar foram estabelecidos pela BNCC como direitos de aprendizagem da criança. 

E como fazer tudo isso acontecer?

A Coleção Engenhocas conta com 2 materiais didáticos centrados no aluno e outros 2 focados no educador. 

3 Livros de Historinhas, com as histórias das 12 vivências. As crianças podem levar para a casa após a primeira história a ser contada para que elas possam interagir com ele novamente, pedindo para um adulto ler as histórias para ela.

3 Kits Criativos, com moldes para as crianças montarem os brinquedos das atividades de cada vivência. Os brinquedos podem ser levados para casa depois de construídos. Assim, elas podem se divertir com ele em outros momentos fora da escola e com a família.

3 Guias do Educador, com orientações para ele conduzir as 12 vivências

1 Livro de Princípios e Conceitos Pedagógicos, com nossas metodologias, conceitos pedagógicos e a matriz curricular de toda a nossa proposta.

É com esses materiais que auxiliamos escolas parceiras a desenvolver de forma integral as crianças da Educação Infantil. Com a gente, elas vão aprender brincando e realizando atividades que as permitem construir o próprio repertório de conhecimento. 

Gostou? Entre em contato com a gente e saiba como podemos te ajudar! 

comentários